8.6.07

Helena Alemão, Estudos Portugueses. Haia, Holanda
Há muito que a vontade de sair de Portugal me invadia. Estava farta da mentalidade mesquinha, da submissão injusta, do trabalho precário, das inexistentes perspectivas de melhoria e do comodismo ridículo perante o declínio iminente.
Mais do que a busca de um melhor emprego, de uma situação financeira mais agradável, de uma vida melhor, buscava um sítio onde não me sentisse uma outsider, pois era isso mesmo que sentia em Portugal! Estava cansada de ouvir: “tens de engolir alguns sapos...”, “temos de nos sujeitar....”, “eles tem a faca e o queijo na mão...”, etc, etc.... I beg your pardon??? Porque devo eu ficar calada quando vejo uma injustiça? Porque é que eu tenho de viver com medo de dizer aquilo que penso? Medo de perder o miserável emprego que me paga a renda ao final do mês, medo de que o Prof. XPTO me chumbe a sua cadeira...
Mas as minhas escolhas académicas não me prometiam muitas opções lá fora e fui ficando, inadaptada, incompreendida. Perdida e sem saber ao certo o rumo a seguir.
Quis a sorte (?!) que o meu marido fosse um dos “felizes” contemplados professores da Universidade Independente que ficaram sem receber o salário, pois alguém andava a encher os bolsos com o dinheiro que os alunos pagavam mensalmente a esta “famosa” instituição. A desilusão foi tão grande que a busca por algo além fronteiras ganhou vida. Após o envio de muitos CV’s (cerca de mil e tal!) viemos parar a Haia.
A Holanda nem sequer tinha passado pelos nossos planos: tínhamos apontado mais para Inglaterra (facilidade da língua) ou Suíça (pois adoramos o país). Quis o destino que viéssemos parar ao país das tulipas e em boa hora o fez!
Temos ambos bons e promissores empregos. Bons salários. Óptimas perspectivas de crescimento profissional e pessoal.
Adaptamo-nos com bastante facilidade a esta nova cultura onde cada um leva a sua vidinha sem se preocupar com a marca das calças do vizinho ou do colega de trabalho. Onde se pode ter um piercing na língua sem que isso seja um factor de exclusão. Onde quando as coisas não estão bem as pessoas falam e tentam chegar a acordos. Onde a nossa opinião é tida como uma mais valia e apreciada. Onde o teu trabalho vale pelo teu trabalho e não pelas pessoas influentes que conheces. E onde o carro, o telemóvel topo de gama e o visa gold não tem qualquer relevância.
Saudades? Família, amigos, alguns locais, uma boa bica, um pastel de nata e os dias soalheiros de Inverno.
Voltar? É um local óptimo para passar férias!

9 comments:

Estrelinha do Mar said...

Emigrar é um acto de coragem. Espero um destes dias ter o fôlego suficiente para mergulhar nessa aventura.
I'm working on it!
;-)

sonia said...

indentifico-me com cada uma das tuas palavras e afinal estamos tao perto! boa sorte para tudo!

Anonymous said...

o que fazes, em termos de trabalho?

Nuno said...

Olá Helena,

As tuas palavras são inspiradoras e têm uma afinidade impressionante com o que me passa pelo cérebro. Também eu estou prestes a dar um salto semelhante. Tenho no entanto muitos dilemas e receios, principalmente porque tenho uma filha de 3 mesinhos. Eu e a minha mulher queremos dar-lhe muito mais do que um ensino mediocre e um sistema de saúde povoado de incompetênicias e negligências. Queremos embarcar para a Europa desenvolvida (Bélgica ou Holanda de preferência). Gostava de entrar em contacto contigo para obter info relevante. Como é criai um filho aí? Como é não se perceber patavina da língua? Como funciona o sistema fiscal e social? Qual a facilidade de arranjar emprego (ambos temos formação em Gestão)?
Aguardo a tua resposta com ansiedade.

Sara said...

Olá.
Eu vim para a Holanda há 3 semanas, e até à data nõa consegui arranjar trabalho, será que me poderia dar algumas luzes a este respeito? Uma orientação, dado que sinto muito a falta de actividade e gostaria de reiniciar actividade profissional rápidamente, caso contrário será dificil subsistir.
Para quem não sabe holandês é complicado?

Obrigada.

Sara

Salu said...

olá Helena! tb sou licenciada em Estudos Portuguese e claro, desempregada! Se me puderes informar acerca das opotunidades que temos num país como a Holanda, agradecia imenso!estou a pensar em sair de Portugal e preciso de algumas luzes pra trer força pra avançar!

R.S. said...

ahhh que medo. Estou prestes a acabar o curso de Estudos Portugueses e nem sei para onde me virar... Emigrar seria uma optima opção..mas está a trabalhar com algo relacionado com estudos portugueses?

bj*

Anonymous said...

ola sou o carlos ja estive na holanda a trabalhar e ao fim de 8 anos voltei a portugal porque a minha mulher nao gostava de viver la, grande asneira eu fiz o casamanto acabou porque nao consigo viver aqui onde se quero alguma coisa tenho que esperar pelo 13 mes ou pedir um emprestimo e ficar a pagar para o resto da vida e sem nunca acabar quando estava num pais onde o que via comprava porque podia no fim deste ano volto para la porque e la que eu pertenco ate porque como dizem o nosso lar e onde nos sentimos bem

Anonymous said...

Olá! Revejo-me nessas palavras acerca da Holanda e também de Utrecht! Fiz eramus em Zwolle a tive uma experiencia única nessa altura porque vi um sistema de ensino muito. Voltei neste Verão passado a Utrecht para um curso de de Verão. Simplesmente adorei e desejei ainda mais um experiência la!Sou professora do 1º ciclo e trabalho num colégio particular desde que terminei o curso. Tive muita sorte mas mesmo assim tenho em mente conseguir uma bolsa de doutoramento para estudar aí, investigar melhor a realidade de ensino no 1º ciclo, e quem sabe e com muita sorte, conseguir um emprego como professora (?). Como país e cultura a Holanda é excelente! Pessoas amáveis mas que prezam a sua individualidade e a dos outros, pessoas simples, maior justiça social e rapidez em resolver assuntos. Porém, nem tudo são rosas mas nenhum país é perfeito. Mesmo assim, é um execelente país para se ter uma vida tranquila e familiar ;) Bem, se alguém souber da necessidade de uma professora aí digam-me ;)Desejo boa sorte os aventureiros! Sissi